Voltar       

                                            

    

                   Atividades Astronômicas

             

 


 

Página das " Novas"

 

Nota: Nesta Página vou tratar apenas das "Novas", ou seja, de estrelas que  esporadicamente (ou periodicamente)  aumentam (ou decaem)  de brilho repentinamente em relação ao seu estado normal (chamado "estado quiescente"). Eventualmente posso tratar de outros casos relacionados às estrelas variáveis que julgar pertinente!

     16/Dez/1986

Da cidade de Santana do Livramento, fronteira com o Uruguai, é  localizada  e  observada   a  estrela    Nova Cen  1986   (depois catalogada   como V842 Cen) que surgiu na constelação do Centauro (Centaurus) .  Esta  estrela  foi  observada  às 4h15min  através de binóculos  10x50  (sem tripé)  do  Hotel  Jandaia dessa cidade. Sua magnitude foi estimada em 6,0.   Nas duas madrugadas  seguintes (17 e 18), ela não pode ser  observada por estar o céu  encoberto.  Notas:  1) Dia 19/Dez,   essa estrela foi observada de Porto Alegre  às 04h30min.  Nessa ocasião  sua magnitude foi estimada em 6,2.    2)  Essa "nova"   foi   descoberta  em  22/Nov/1986 quando estava  com  mag.  5,6.  3)   Seu brilho  máximo  aconteceu   em   24/Nov quando a estrela atingiu mag. 4,6.    4)  Esta    foi  uma  das estrelas desse tipo (nova) que   atingiu  maior brilho  nos  últimos 50 anos, podendo ser visível a olho nu se o observador estivesse  em local bem escuro.  5)  Em seu estado normal, esta estrela  brilha com mag. 18,6.   Portanto, em questão de dias, a estrela  aumentou de brilho  cerca de  400 mil vezes!  6)  Estudos realizados posteriormente   indicaram   que a estrela estava a cerca de   4100 anos-luz de distância.  7)   Abaixo  à esq.  temos a  localização da estrela  e  à  dir.  a curva de luz   fornecida pela  AAVSO  referente  aos  2  primeiros meses meses de observação visual.   8)  A estimativa de brilho dessa Nova,  feita em 1986,   ficou guardada nos arquivos do Autor.  O resultado somente foi remetido  a AAVSO depois que o Autor passou a fazer observações sistemáticas de estrelas variaveis  (utlizando binóculos) por volta de 2007/2008.

 

 

                                                                          

   27/Fev/2007

De Tramandaí  é  observada a  Nova Sco  2007 (#1)   (depois catalogada como V1280 Sco) que surgiu na constelção do Escorpião (Scorpius).  A    "nova"  foi  observada   entre    01h 10min   e    01h 30min (Hora Local)  com  binóculos  7x50.  Sua   magnitude  foi estimada  em 5,2   na comparação com o  brilho  das  estrelas vizinhas.  Na ocasião o céu estava  bastante  límpido. Notas:  1) A figura  abaixo  à esq.  mostra a posição da  estrela; imagem  obtida  no  Site da revista Sky and Telescope. 2)   À dir. tem-se  a curva de luz  da estrela   fornecida pela  AAVSO  relacionada aos  2  primeiros meses meses de observação visual.  Nota-se que nos dias  que se seguiram  ao do  brilho máximo, a participação dos observadores foi bastante expressiva. 

 

  Dez/2007

A partir desse  mês o Autor passa a fazer observações sistemáticas  de  estrelas variáveis,  utilizando binóculos  7x50 e 20x80 (com tripé).    Nota:  As estimativas de  brilho   dessas  estrelas passam a ser    registradas em arquivo. Nota:  A partir de Mar/2008  os resultados dessas observações começam a ser enviados  para a  REA (Rede de Astronomia Observacional, sediada em São Paulo);  em Jun/2008  para a  AAVSO (American Association of Variable Stars Observers, sediada em Boston, MA, USA)  e em Mar/2009  para  a  Sección de Estrellas Variables da  LIADA (Liga Ibero-Americana de Astronomia).

 

29/Jan/2010

De Tramandaí, é observada a estrela variável   U Sco,  estrela da constelação do Escorpião (Scorpius),  que é  uma  das poucas "Novas"  (cerca de 10) catalogadas como  "Novas  Recorrentes", ou seja,  "Novas" que  voltam a  aparecer   de novo depois de um longo período (vários anos) de inatividade (baixo brilho).  No momento da observação, cerca de 05 horas (Hora Local), a  magnitude da estrela  foi estimada em 8,9  no comparativo com o brilho de  estrelas proximas,  de magnitudes 8,6 e 9,2.   A observação foi feita com binóculos 20x80 com tripé. Notas: 1)  Trata-se de uma estrela de dificil observação porque permanece  no seu máximo brilho (mag ~7 a 10) em 2 ou 3 dias.. Portanto, ao ser dado o alerta de "outburst" (aumento brusco de brilho), o observador ainda precisa estar com sorte  de encontrar céu limpo naqueles dias em que é possivel observar porque depois o brilho da estrela decai  novamente e fica fora do alcance de instrumentos comumente utilizados.   2) Essta estrela varia  (em magnitude) de 7,5 a  19,3  (limites máximos) conforme AAVSO, portanto a diferença de brilho entre a estrela no  máximo e  no minimo é da ordem de 50 mil vezes.(!) . 3)  A curva de luz da estrela (subida e descida) - conforme registros reportados a AAVSO - está indicada na imagem abaixo. Nota-se que houve poucas observações durante o periodo de máximo (entre mags. 7 a 10) pelos motivos já expostos.

 

 

 

A   imagem  abaixo mostra a localização da estrela. 

   

 

08/Mai/2011

De Tramandaí, é observada a estrela variável   T Pyx, estrela da constelação da Bússola  (Pyxis),   que é  uma  das poucas "novas"  catalogadas como  "novas  recorrentes", ou seja,  "novas" que  voltam a  aparecer   de novo depois de um longo período (vários anos) de inatividade.  No momento da observação, cerca de 21 horas (Hora Local), a  magnitude da estrela  foi estimada em 7,2 no comparativo com o brilho de  estrelas visíveis.  Notas1)   A observação foi feita com binóculos 20x80 com tripé.  2)     No dia 10,  no mesmo horário,   a estrela foi observada novamente e sua magnitude foi estimada em 6,6. Portanto em apenas 2 dias  a estrela teve um  aumento de brilho de  74%.  3)  Em estado normal  essa estrela é muito fraca, com magnitude  em torno de 15,5.  Em ciclos que podem variar de 20 em 20 anos, ela sofre  um violento aumento de brilho,  da ordem de  4300  vezes, quando chega a  atingir  magnitude da ordem de  6,4.  4)  Descoberta em 1890, sua última explosão  de brilho foi observada em  1966.  Esperava-se que na década de  1980-90, haveria nova explosão de brilho, mas tal fato não foi observado. 5)  Em 2011,  a   mudança de brilho foi inicialmente constatada pelo observador  Mike Linnold  em 13 de abril.    6)   Explica-se  que estrelas desse tipo são constituídas por um par de estrelas; uma estrela   menor (anã) e uma  estrela maior (gigante). Em determinados  momentos, as estrelas     ficam muito  próximas  e  ocorre   transferência de matéria - de modo muito  violento -  da estrela gigante  para a estrela anã.  No caso de T Pyx,  o aumento de brilho (ou transferência de matéria) pode durar alguns meses. 7)  A figura abaixo  da esq.  mostra a curva de luz de T Pyx (entre final de março e inicio de julho de 2011)  conforme reportado por observadores visuais a  AAVSO -  American Association of Variable Stars Observers. 8)  A figura abaixo da dir. (obtida no Site do Wikipedia) é  uma animação  de duas  estrelas girando em torno de um ponto comum, chamado centro de gravidade do sistema.    9)  A  animação   que  mostra como  foi o aumento de brilho  da estrela  T Pyx  (obtida no Site da revista Sky&Telescope)   pode ser vista em  http://i176.photobucket.com/albums/w189/walcom77/T_Pyx_animation_April_15_2011.gif

 

 

 

15/Ago/2013

De Porto Alegre,  é observada a  "Nova Del 2013" (depois catalogada como V339 Del) que surgiu na constelação do Delfim ou Golfinho  (Delphinus) quase no limite com a  constelação da Vulpecula (Raposa).  No momento da observação, cerca de 19h30min   (Hora Local), a  magnitude da estrela  foi estimada em 5,0 no comparativo com o brilho de  estrelas vizinhas.  Notas1)   A observação foi feita com binóculos 20x80 com tripé.  2)     No dia 16,  no mesmo horário,   a estrela foi observada novamente do mesmo local e sua magnitude foi estimada em  4,6.  3) Dia 17, foi novamente observada, agora  da praia de Tramandaí, no mesmo horário. Nao foi constatado aumento de brilho; sendo sua   magnitude  estimada em 4,6.  Dia 18 foi observada de novo  agora com mag. de 4,8.   Novas estimativas de brilho  foram e continuam sendo feitas.  4)  Essa "nova"  foi descoberta em 14 de agosto  por um astrônomo amador japonês; no momento da descoberta   ela  já  estava com magnitude 6,5.  5) Essa foi  a 2a. "nova" descoberta nessa constelação; a  1a. nova (nessa constelação)   foi a  Nova Del  1967 (HR Del) que atingiu no seu máximo a mag. de  3,5, portanto em condições de ser visível  a olho nu! 6)  Na imagem abaixo da esq. está indicada o ponto em que a estrela apareceu na constelação e na imagem da dir. a curva de luz (a partir de estimativas visuais)  realizadas  pelos observadores da  AAVSO  até  01/Set./2013. 

 

 

 

06/Dez/2013

De Porto Alegre,  é observada  a  "Nova Cen 2013" (depois catalogada como V1369 Cen)  que surgiu na constelação do Centauro (Centaurus).  No momento da observação (05h10min, hora de Brasilia), a estrela foi vista a olho nu e sua magnitude foi estimada em 3,5 no comparativo com brilho das estrelas vizinhas. Posteriormente foi observada atraves de um binoculos 20x80 com tripé.  Notas:  1) Esta estrela foi descoberta dia 02/Dez por um observador australiano quando estava com mag.  6,5.    2)  A partir dessa  data,  a estrela foi observada  em outras oportunidades   através de binóculos 7x50 (sem tripé), ou de  Porto Alegre ou de Tramandaí.  3)  Essa estrela foi a "nova"   mais brilhante que já foi observada nessa constelação.  Outra nova brilhante surgida nessa constelação foi  a V842 Cen (Nova Cen 1986) que atingiu um pico de mag. de 4,6.   4)  Na imagem abaixo da esq. está indicada o ponto em que a estrela apareceu na constelação (perto da estrela Beta Cen)  e na imagem da dir. a curva de luz (a partir de estimativas visuais)  realizadas  pelos observadores da  AAVSO  até  03/Mai/2014. 5) Nota-se dessa curva que a estrela, na sua curva descendente de brilho,   de tempos em tempos sofre  novas  "elevações" de brilho.

 

Essa estrela  vem sendo acompanhada ao longo do ano de  2014. Até  início de  maio de 2014 ela continuava  sendo visível através de  instrumentos de médio porte (binóculos e telescópios). Até então, a estrela estava  com mag.  7,8.   Notas: 1)  A foto abaixo de G. K. Renner, que mostra a estrela (N),  foi  feita em  05/Mar/2014 às 01h10min (TU), de Arambaré - RS,   com uma câmera Nikon 105 mm (f 6.3 -  ISO 3200 - tempo de exp. de 10 seg.).  2)  Essa imagem é um detalhe de uma foto de maior tamanho.

 

 

23/Mar/2015

De Tramandai  é observada  por volta das 04h00min (Horário Local) a   Nova Sgr 2015 (#2)  (depois catalogada como V5668 Sgr)  que surgiu na constelação do Sagitário  (Sagittarius).  A observação foi feita com  um  binóculos 20x80 com tripé.   A mag. foi estimada em 5,5  no comparativo  com as estrelas vizinhas de mags. 5,5 e 6,5.  Nota:  O  mapa  estelar abaixo  (obtido do Stellarium 0.15.2)  mostra  a posição da Nova  em relação às estrelas vizinhas.

 

21/Ago/2016

De  Tramandaí  às  04h26min  (Horário Local)  enquanto tentava estimar  o brilho da estrela variável  V Ori, da constelação do Caçador (Orion),   o Autor admite  ter  visto um "Flash"  de mag. 4 ou 5    nas proximidades da estrela cuja posição é  AR= 05:10:57 e  Dec= +03: 06:42.  Como um "Flash" é um fenômeno (aumento de brilho) de duração instantânea,   dificilmente   se tem certeza que o fenômeno ocorreu ou não, mas fica o registro. Nota: Pesquisando em catálogos se naquela área do ceu  haveria alguma estrela  do Tipo UV Cet (ou "flare stars"),  que poderia emitir um luminosidade dessa natureza, nada foi encontrado.

 

09/Out/2016

De  Tramandaí, às 19h35min (Hora Local)   faz-se uma tentativa de  observar  a estrela Nova Lup  2016 (depois catalogada como  V407 Lup), que surgiu na constelação do Lobo (Lupus).   A observação foi feita com  um  binóculos 20x80 com tripé, mas a tentativa nao teve sucesso.   Na ocasião a estrela  já estava diminuindo de brilho, depois de atingir um máximo  de mag. 5,6  em dias anteriores.   Pelo exame do brilho  das estrelas vizinhas, verificou-se que a Nova Lupus 2016  nessa ocasião  estava com brilho inferior a mag. 9,5;  valor fora do alacance do aparelho.   Em nova tentativa, feita   dia  11/Out/2016,   também não se obteve sucesso. Nesse dia, as condições do ceu estavam piores do que antes (a  mag. limite de observação era 8,9).   O mapa estelar abaixo  (obtido do Stellarium)  indica a localização da Nova, situada perto da estrela HP 75771. Os números ao lado de cada estrela indicam suas magnitudes (sem a virgula decimal).  

 

 

 

21/Out/2016

De  Tramandaí é  localizada  e observada   por volta de 21h50min   (Horário  Local)  uma  possivel  Nova  cuja sigla era   TCP J18102829-2729590 que surgiu na constelação do Sagitário (Sagittarius).  Depois essa estrela ficou conhecida como a  Nova Sgr 2016 (#3)  (mais tarde catalogada como V5855 Sgr).  A observação foi feita com  um  binóculos 20x80 com tripé.   A magnitude da estrela  foi estimada em  9,1   no comparativo com duas  estrelas vizinhas, de mags. 9,1 e 9,6. Como ponto de partida, apontou-se o instrumento para a estrela HP 88839 indicada no mapa.   Notas:   1) O  mapa  estelar abaixo  (obtido do Stellarium 0.12.4)  mostra  a posição da Nova  em relação às estrelas vizinhas.  Os números ao lado de cada estrela indicam suas magnitudes (sem a virgula decimal).   2) Em outra tentativa feita na noite do dia seguinte (dia  22), para   estimar o seu brilho, não foi possivel  fazer a observação, devido a presença de núvens no quadrante oeste.   3)  Posteriormente, ainda cedo da noite   ela foi observada nos dias 4, 5 e  6  de novembro! No dia 7, as condições do céu (claridade e poluição) nao permitiram sua visualização.

 

04/Nov/2016

De  Tramandaí é  localizada  e observada   por volta de 20h56min   (Horário  Local)  uma  possivel   Nova cuja sigla era   ASASSN-ma   que surgiu na constelação do Sagitário (Sagittarius). Depois essa estrela ficou conhecida como a  Nova Sgr 2016 (#4)  (mais tarde catalogada como V5856 Sgr).    A observação foi feita com  um  binóculos 20x80 com tripé.   A magnitude da estrela  foi estimada em 8,2    no comparativo com duas  estrelas vizinhas, de mags. 8,4 e 8,6. Como ponto de partida, apontou-se o instrumento para a estrela Kaus Media (ou Del Sgr)  indicada no mapa.   Notas:   1) O  mapa  estelar abaixo  (obtido do Stellarium 0.12.4)  mostra  a posição dessa Nova  em relação às estrelas vizinhas.   2)  Posteriormente,  esta   Nova  foi observada ainda  cedo da noite   nos dias  5, 6 e 7 de novembro! Nos dias  8 e 9  as condições do céu (nuvens) não permitiram sua visualização. 3) Nota-se do mapa estelar que esta Nova estava bem próxima da  outra Nova (TCP J18102829-2729590)  observada dia 21/Out.  Ver essa data.

 

 

11/Abr/2017

Depois do exame de  uma  fotografia da região da constelação do Orion  onde se localiza a estrela variavel V1199 Ori , da constelação do Caçador (Orion),  chamou a atenção que a estrela (V1199 Orinão aparecia na foto.  Em exame do  banco de dados da AAVSO,  viu-se que essa estrela, por ser de  mag. 8,8   deveria constar da fotografia, pois  fazia parte  da carta (da AAVSO) com mag. limite de 10,0!  Examinando  os   resultados  observacionais reportados, constatou-se que deveria haver um equivoco naquele valor (8,8).  A partir daí,  o fato foi comunicado a AAVSO para exame do assunto.  Depois de analisar o caso,  a AAVSO  informou    ao  Autor   que  realmente o valor da magnitude da estrela estava errada e  que estava alterando-o para  11,3.   Notas:  1) A fotografia em questão foi tomada em 26/Mar/2017   por Gilberto K. Renner com  uma  câmera DSLR  Nikon D5300. 2)   Abaixo à esq. a  vê-se que a  fotografia não  registra  a estrela  e  à dir.  a carta da AAVSO,  mostrando   a  posição da estrela.   3) A estrela A  é de mag. 9,3  e a estrela  B é a variável  ER Ori.     

 

 

Fotografia  da região

 

Carta da AAVSO (mag. limite=10,0)

 

28/Jul/2017

De  Tramandaí é  localizada  e observada   por volta de 22h00min   (Horário  Local)  a estrela  ASASSN-17hx ,   descoberta   na constelação do Escudo (Scutum).  Depois essa estrela viria a ser chamada de  Nova Sct  2017 (mais tarde  catalogada como V612 Sct),  A observação foi feita com  um  binóculos 20x80  com tripé.   A magnitude da estrela  foi estimada em 8,8    no comparativo com as  estrelas vizinhas, de mags. 8,2 e 8,8.    Notas:  1)  O  mapa  estelar abaixo  (obtido do Stellarium 0.15.2)  mostra  a posição dessa Nova  em relação às estrelas vizinhas. Nota:  A área onde estava a Nova foi observada inicialmente  na noite de 23/Jun/2017;  mas a   estrela  não foi  visualizada, estimando-se que seu brilho na ocasião era inferior a  mag. 9,3.

 

19/Jan/2018

De  Tramandaí é  localizada  e observada   por volta de 22h05min   (Horário  Local)  a estrela  PNV J11261220-6531086,    descoberta   na constelação da Mosca  (Musca) .   Depois essa estrela viria a ser chamada de  Nova Mus 2018.    A observação foi feita com  um  binóculos 20x80 scom tripé.   A magnitude da estrela  foi estimada em 8,2    no comparativo com duas  estrelas vizinhas, de mags. 7,2 e 7,6.    Notas:  1)  O  mapa  estelar abaixo  (obtido do Stellarium 0.15.2)  mostra  a posição dessa Nova  em relação às estrelas vizinhas.  2)  A descoberta dessa estrela  foi comunicada por Alexandre Amorim de  Florianópolis-SC  ao grupo NEOA-JBS e recebida pelo Autor.  3)    Até  15 de fevereiro o Autor continuou observando visualmente  a estrela nas noites favoraveis,  remetendo seus resultados para a AAVSO. Nessa data a  Nova  atingiu a mag. 9,5. 4)  A área onde estava a Nova foi observada ainda nas noites seguintes, mas a estrela não foi mais visualizada porque seu baixo brilho não esteve mais alcance do binóculos. 

 

19/Jan/2018

De  Tramandaí é  localizada  e observada   por volta de 22h15min   (Horário  Local)  estrela  PNV J13532700-6725110,  descoberta na constelação do Compasso  (Circinus) .  Depois essa estrela viria a ser chamada de Nova Cir 2018 A observação foi feita com  um  binóculos 20x80 com tripé.   A magnitude da estrela  foi estimada em 8,2    no comparativo com duas  estrelas vizinhas, de mags. 7,2 e 8,5.    Notas:  1)  O  mapa  estelar abaixo  (obtido do Stellarium 0.15.2)  mostra  a posição dessa estrela  em relação às estrelas vizinhas.  2)  Ela    foi observada apenas 10 minutos depois da observação da Nova Mus 2018. Ver entrada anterior. 3) O  Site da  AAVSO reporta que essa  foi a 2a. observação visual  dessa estrela  remetida por  seus observadores. 4)  A descoberta dessa estrela  foi comunicada por Alexandre Amorim de  Florianópolis-SC  ao grupo NEOA-JBS e recebida pelo Autor. 5)  Até  18 de fevereiro o Autor continuava observando a estrela nas noites favoraveis,  remetendo seus resultados para a AAVSO.

 

08/Fev/2018

De  Tramandaí  é  realizada  uma tentativa  de observar  a estrela  PNV J16484962-4457032, descoberta na constelação do Escorpião (Scorpius).  Depois essa estrela viria a ser chamada de Nova Sco  2018 (# 2).   A observação foi feita com  um  binóculos 20x80 com tripé e foi realizada por volta das 04h45min (Horario Local).   Devido ao seu baixo brilho na ocasião, a estrela nao pode ser  visualizada, sendo estimado que ela deveria estar com mag. < 9,25. Notas:  1)  Em 13 de fevereiro,  fez-se  nova tentativa de observar  a estrela, mas - apesar das condições de visibilidade celeste estarem  melhores que no dia 08 -   de novo não se teve sucesso, estimando-se  que ela deveria  estar com mag. < 10,0.  2) Na figura abaixo é indicada a área do ceu onde se localiza a  Nova (indicada como NV).   3) As estrelas   910 (mag 9,10) e 925 (mag. 9,25) foram visualizadas em 08/Fev, mas a Nova não foi!  4)  A descoberta dessa estrela foi comunicada por Alexandre Amorim de  Florianópolis-SC  ao grupo NEOA-JBS e recebida pelo Autor. 4)  Em mais 2 ou 3 oportunidades,  observou-se a área onde estava a Nova, mas ela não foi visualisada  por continuar  fora do alcance do binóculos.

  Voltar